Home » Cultura portuguesa (parte 3): o caráter nacional português

Cultura portuguesa (parte 3): o caráter nacional português

[et_pb_section admin_label=”section”]
[et_pb_row admin_label=”row”]
[et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Text”]Existe um caráter nacional. Faz parte de uma cultura. Frequentemente são clichês. Os holandeses, por exemplo, são preocupados. Sempre reconheço imediatamente um compatriota – quase branco com linhas de pensamentos profundos. Os brasileiros são excessivamente alegres, otimistas e unidimensionais. Os alemães são pontuais e precisos. Os ingleses são alcoólatras e agressivos. Alegadamente.

Você entendeu. Temos a definição clara.

Aqui está a minha experiência com o caráter nacional português

Os portugueses fazem duas coisas que ainda acho difíceis mesmo depois de todo esse tempo. Eles sempre têm “imprevistos” – circunstâncias inexpetavas. Eles concordaram em algo e depois mudaram de idéia. Isso é um pouco difícil para as pessoas com quem eles concordaram em algo.

E eles vêm sem aviso prévio depois de anos, e depois fingem que vocês se viram ontem

Percebi isso quando chegamos aqui, e o filho do proprietário anterior morreu de repente. O senhor Foja tinha construído tudo e sempre morava nas Termas com sua família, mas quando ele morreu no início dos anos 80, tudo desmoronou.

 

o balneário em 1999 apos 25 anos de abandono
o balneário em 1999 apos 20 anos de abandono

 

As Termas, mas também a família. O filho mais novo, João Orlindo, já um homem de meia idade, ainda morava cá e estava “doente”. Coloquei isso entre parênteses, porque ele ia ao café todos os dias e depois voltava tarde da noite feliz e embriagado. Um homem muito simpático, a propósito. Pouco antes do Natal, ele morreu inesperadamente e foi enterrado no dia seguinte.

Também é algo a que você deve se acostumar, mas se pensa nisso, faz sentido. Costumávamos não ter eletricidade, portanto não havia refrigeração e, num clima como esse, é melhor que essas coisas aconteçam rapidamente.

Anos depois, as pessoas vinham perguntar sobre o João Orlindo, porque eram grandes amigos

Ficaram surpreendíssimos ao saber que ele havia morrido há tanto tempo.

É claro que esse é um exemplo extremo, mas se encaixou bem no que eu estava fazendo naquele tempo: pensar no novo fenômeno de “amigos” no Facebook. Na verdade, pensei que não deveria usar a palavra “amigo” para isso – uma inflação do termo. (Entretanto, adaptei-me e tenho tantos “amigos” no Fb quanto todos os outros.)

A semana passada, o Pedro de repente explodiu sem aviso prévio; “amigo” de antigamente

Engraçado, porque é alguém que combina essas duas qualidades sem esforço. Não vi o há pelo menos 8 anos. Felizmente, temos que ficar numa distância agora, porque às vezes ainda tenho alguma dificuldade em simular entusiasmo.

Ele não apareceu a última vez que combinámos. Fiquei sentado no terraço do beach bar na praia em Figueira, ocupando uma mesa por uma hora, esperando.

Mudou de idéia novamente, ou simplesmente esqueceu-se – não fazia ideia, era a última vez que vi o. Pronto, não vi o, realmente.

a praia em Figueira da Foz

Conheci o quando ele veio de férias com a sua família por uma semana. Eles moravam na Figueira, mas é bastante comum não viajar muito longe.

Então eu notei que alguém pode mudar de idéia com tanta frequência

Eles vinham jantar, ele disse de manhã. Ao meio-dia o plano mudou, mas depois de uma hora não. Logo após o almoço, foi outra vez negativo, e isso mudou para um sim no final da tarde. Não me lembro o que eles fizeram afinal, mas lembro-me de que fiquei muito surpreso com essa capacidade de mudança.

Toda vez que o plano mudava, era amplamente informado sobre a lógica por trás dele. Levou meia hora cada vez. Agora, cortaria isso de uma maneira civilizada, mas nessa altura ainda era jovem, inocente e muito entusiasmada.

Tornei-me muito mais rigoroso. Poderia dizer que tornei-me mais holandês …

[/et_pb_text][/et_pb_column]
[/et_pb_row]
[/et_pb_section]

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.